Exames Para Hérnia de disco: Entenda o Laudo da Ressonância Magnética

exame-ressonancia-magnetica

O fisiatra intervencionista e especialista em coluna, Dr. João Amadera explica quais são os exames para a coluna vertebral, como eles são lidos, e quais são os termos mais comuns que aparecem nos laudos.

Leia a transcrição do vídeo

A gente resolveu explicar um pouco dos termos que aparecem nas descrições dos laudos de exames de imagem da coluna vertebral: laudos de ressonância, de tomografia, e de radiografias também – que são os exames mais pedidos para investigação diagnóstica dos problemas de coluna, sejam de hérnia de disco, de dores lombares ou cervicais, ou mesmo dorsalgias.

Para vocês terem uma idéia, a ressonância magnética objetiva avaliar toda estrutura da coluna e seu entorno. 

O mesmo vale para tomografia, só que a tomografia está mais interessada na parte óssea, porque é um exame de radiografia em três dimensões.

Uma das principais alterações encontradas na ressonância magnética, que assusta um pouco os pacientes, são os termos desidratação discal, degeneração, doença degenerativa do disco intervertebral, abaulamento, protrusão discal, e hérnia de disco, ou mesmo Nódulos de Schmorl, que nada mais é do que uma hérnia de disco intrassomática, que conseguiu penetrar dentro do osso. 

Degeneração é qualquer desgaste, seja por uso ou por envelhecimento, não é um termo que assusta. 

A desidratação, na ressonância magnética, é quando a gente encontra a cor do disco intervertebral alterada, principalmente no T2, que é uma das sequências da ressonância magnética. A cor do disco fica mais escurecida com relação aos discos mais saudáveis onde o miolo é mais aquoso e fica bem branco. 

A redução da altura, faz parte do processo degenerativo também e é quando você perde esse conteúdo interno do disco, e o disco acaba cedendo. 

Abaulamento discal, é quando você tem essa incompetência da parede do disco e do conteúdo interno em ficarem bem posicionados, e acaba tendo esse abaulamento quando o disco vai um pouco pra fora, normalmente numa extensão grande, e normalmente isso é assintomático também. 

Protrusão discal, e hérnia discal, costumam dar mais problema – a diferença entre protrusão e hérnia discal é uma diferença matemática, é o tamanho da base com o tanto que foi pra fora. 

Protrusões discais estão sempre contidas, hérnias de disco podem ser contidas no anel, na parede externa do disco, ou mesmo extrusas, quando conseguem vencê-lo. 

Se foi muito pra fora, e se teve até uma separação do conteúdo herniado pro disco intervertebral, a gente chama de hérnia sequestrada, quando ela não tem mais contato com o disco intervertebral. 

No modelo a gente consegue ver o modelo de hérnia de disco quando o conteúdo interno consegue vencer esse anel, no caso essas cordinhas, esse barbante, e tem a hérnia de disco, que é o conteúdo de dentro do disco que conseguiu vencer a parede e foi pra fora, e no caso comprimindo um nervo. Não necessariamente comprime um nervo, o sintoma pode ser o mesmo de uma hérnia ou uma protrusão, tamanho não necessariamente vai definir o sintoma do paciente. E a gente precisa ver imagem e examinar o paciente, colher sua história, para poder avaliar a alteração vista na ressonância magnética, relacionada ao disco intervertebral, equiparando os resultados de imagem com o exame físico do paciente para determinar se a alteração descrita no laudo, por exemplo, tem relação com a queixa do paciente.

Você também pode se interessar: